Format: Members Site, Subscription Services

This is a digital product, you will receive the information to access it through the internet.

$

R$ 139,80

up to 12 times on credit card

Buy 100% safe

Powered by Powered by Hotmart

Need help?

Doubts, suggestions or problems should be sent to the salesperson .

Salesperson's contact


II CONGRESSO AMOR AUTÊNTICO - BOLETO Spirituality

Product description

Advantages

Pacote que, além do livro,  oferece como bônus quatro ensinos sobre o tema.
Confira o resumo de cada um deles:

PALESTRA I - VIDA NO ESPÍRITO
O Catecismo da Igreja Católica ensina que “a vida no Espírito realiza a vocação do homem”, pois é feita de caridade divina, isto é, daquele “amor derramado em nossos corações pelo Espírito”(cf. Rm 5,5) e de solidariedade humana. Outrora no cativeiro do pecado, recebemos por meio de Jesus Cristo a libertação e a vida nova. Conforme ensina S. Basílio, é o Espírito Santo quem realiza em nós a restauração do paraíso, a subida ao reino dos céus, o retorno à adoção filial. É ele quem nos dá a ousadia de chamar a Deus de Pai, possibilita-nos participar da graça de Cristo, ter o nome de filhos da luz, participar da glória eterna. Em uma palavra, recebermos a plenitude da benção, neste século e no século futuro, e como em espelho contemplar, desde já presente, a graça dos bens que nos estão reservados, conforme as promessas, e cuja fruição aguardamos pela fé.

PALESTRA II – A LIBERDADE NO ESPÍRITO
A liberdade inicial dada ao homem no ato criador de Deus, pela qual ele pode exercer o “poder, baseado na razão e na vontade, de agir ou não agir, de fazer isto ou aquilo, portanto, de praticar atos deliberados” (CIC, 1731), tornou-se uma liberdade “finita e falível” quando o homem pecou livremente. Escravo do pecado, o homem não perdeu o livre arbítrio, mas encontra-se sem forças para lutar contra a concupiscência e, inclinado e enfraquecido pelo pecado, cede facilmente. Era necessário o sacrifício de Cristo por meio de uma obediência até a morte (cf. Fl 2,8-9) a fim de que o homem pudesse participar da “gloriosa liberdade dos filhos de Deus” (cf. Rm 8,21). Em posse do dom da liberdade todos podem “vencer em si mesmos o domínio do pecado, pela abnegação de si mesmos e por uma vida de santidade (cf. Rm 6,12).” Em estado de graça o homem é totalmente livre. E essa seria a verdadeira liberdade, pois aquele que permanece em pecado atribui a si